Crônicas, Contos e Poesias

Por Cica Carvalho

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Downtown


As noites eram quentes, 
o ar seco e pesado sufocava, 
ela não conseguia dormir. 
O corpo aparentemente inerte, transversal, 
ocupava toda a cama, 
um misto de vazio com uma tremenda fome 
que nunca passa de sabe-se lá o quê?! 
Lá embaixo, 
longe de sua concha a cidade ferve, 
bares, boites, clubes, 
álcool e cigarro, 
risadas abafadas entre murmúrios, 
buzinas, brigas,
o grito de uma puta por socorro. 
A noite parece sem fim...
Ela vira pro lado, sem espectador,
sem luz, sem foco, 
sem graça, 
e até tenta dormir. 
Afofa o travesseiro, suspira, 
sem sucesso continua olhando para o teto.

Foto da Web.

5 comentários:

  1. Adorei a historia, realmente é o que ocorre por aqui, "O corpo aparentemente inerte,ocupava toda a cama,
    um misto de vazio com uma tremenda fome a cidade ferve,
    bares, boites, clubes, álcool e cigarro,
    risadas abafadas entre murmúrios, buzinas, brigas,
    o grito de uma puta por socorro. " Incrivel a maneira como vc acertou em cada palavra!
    E em muitas dessas noites eu me perguntava "pq nao estou la? pq nao tenho um pedaço desse murmúrio pra mim, aqui comigo..., não é justo"
    bjus

    ResponderExcluir
  2. gostei desse momento tão conhecido flagrado assim
    Cica... é interessante...

    ResponderExcluir
  3. Acabou comigo Sherazad! Quem precisa de Mil e Uma Noites, tendo esta como inspiração?!

    ResponderExcluir