Crônicas, Contos e Poesias

Por Cica Carvalho

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Como Cão e Gato!




Faz três meses que adotei uma cadelinha muito charmosa e terrivelmente inteligente.
Numa tarde, na casa do meu namorado, o irmão dele aparece com uma cadela da raça Spitz Alemão, senhora de si. De salto alto e nariz empinado, correndo pelo quintal. Cachorrinha de apartamento, num terreno de quinhentos metros quadrados. Ela estava feliz e realizada. Me encantou. Meu cunhado disse que ela estava há duas semanas sozinha no apartamento do dono. Não tive a menor dúvida, aceitei cuidar dela temporariamente, depois de pensar por longos cinco minutos!
Final do domingo, fomos para casa. Nossa adaptação foi instantânea. Na primeira manhã acordei com ela dormindo, do lado fantasma da minha cama, com a cabecinha no travesseiro!... Isso já faz três meses!
No fim de semana, vou com minha nova companheira, Mink, para casa do meu namorado. A rotina é tão marcada, que só de ver a mochila, ela fica louca. Quando entro na rua, começa a uivar. O quintal enorme, os vários amigos que ela fez por ali, a Isa, a comida da Isa... o conjunto a faz uivar. Assim como eu....!
Nesse ponto entra o Gato. Vira-lata, quase idoso, cego de um olho e dono da área. Nome- O Gato. O rei da casa. Eu sempre acreditei muito na cadeia alimentar e fiquei arrepiada e curiosa da relação que ali nascia. Esqueci um detalhe importante, o apelido da Mink é Suzane Richthofen.
Bom, o primeiro impacto entre os dois, não presenciei. Quando vi, já estavam lado a lado. A Mink nem aí para o Gato, e o Gato curioso da Mink. Essa relação foi crescendo a medida que ela se tornou parte da familia.
No último sábado, estou assistindo televisão e escuto um Merrrreeeeuuu, na mesma hora levantei e abri a porta. Desconfiado, ele analisa o território antes de entrar, a procura daquela, que invade seu espaço, come sua comida, rouba a atenção de todos, marca território, aquela; a Monstra! Depois de mapear a sala, identificar de onde vem esse cheiro, ele entra, desconfiado, passos largos e rasteiros, como um felino selvagem rodeando a presa. A presa na verdade é ele! Todo animal que se sente acuado...
Deitada, em um ninho de manta, Mink relaxa no sofá, sem se incomodar com a presença ferina do Gato. Se Mink está no sofá o Gato se acomoda na poltrona, se ele está na cadeira, pode procurar que ela está embaixo, é uma relação de amor e ódio, porque estão sempre juntos, mas se ela passa abanando o rabo, altiva perto dele, ele não hesita, mete a mão! A patinha estica três metros e meio e vira uma raquete, e a carinha dela a bola! Eu sempre por perto, aparto antes da raquete chegar na bola.
Somos meros coadjuvantes de um documentário real da vida selvagem!
Cica Carvalho
Foto: arquivo pessoal

3 comentários:

  1. Amiga querida, eu tive por 12 anos um Lulu da Pomerania (se é que se pode chamar laguém de macho com essa raça...rs), e eles são maravilhosos....

    Adorei o blog, voltarei sempre....veja o meu tb: aladywithabug.blogspot.com

    bjao
    Jo

    ResponderExcluir
  2. Adorei as "historinhas", não sei qual o nome certo, mas é uma delícia de ler, quero mais!!!!!

    ResponderExcluir
  3. A Mink é mto linda!!!Amei a crônica!
    Bj

    ResponderExcluir