Crônicas, Contos e Poesias

Por Cica Carvalho

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Café Creme


Numa dessas manhãs de feriado, fugindo das inevitáveis tarefas domésticas, troquei a pantufa pelo tênis, catei minha bolsa e corri para o café. Sou uma cliente habitual, e antes dessa maldita Lei, eu batia carteirinha.
Bom, o delicioso aroma do café cremoso e espumante estava me perturbando. Entrei no Sallon com passos firmes e vigorosos, dirigi-me ao caixa, o mesmo atendente, o mesmo uniforme e sorriso. Impecável!
-Bom dia!
-Bom dia, um café curto e puro, continua o mesmo preço?
-Sim.
-Creme `a parte, por favor.
-São R$ 3,50.
Uma sensação de alívio percorreu o meu corpo... Coloquei minha discreta bolsa em cima do balcão, tirei minha agenda, a caixa dos óculos, Esaú e Jacó e finalmente meu porta moedas.
-Aqui, moço. Obrigada.
Escolhi a melhor mesa, alta e com bancos de encosto e apoio de braço, confortável e elegante, de onde eu conseguia ter uma visão panorâmica do Hall do cinema. Adoro pessoas que adoram cinema.
-Com licença. Uma garçonete, com um coque muito puxado e engomado, colocou minha xícara e saiu silenciosamente.
Satisfeita, mantive meu ritual, de movimentos “ensaiados” para temperar meu café com dois saquinhos de açúcar, mexe, creme, uma pitadinha de canela, um suspiro profundo, olhos fechados e em três grandes goles, sorvi o conteúdo, respirei fundo e lembrei da vassoura, a louça; a casa!
Cica Carvalho.

10-15 linhas
Cena do cotidiano.
Não deve ter conflitos. Mas tem!

Foto: arquivo pessoal.

3 comentários:

  1. Amei, amei, amei!
    Não esperava esse final de jeito nenhum!
    Arrasou!

    ResponderExcluir
  2. Amei, amei, amei!
    Não esperava esse final de jeito nenhum!
    Arrasou!

    ResponderExcluir
  3. Adorei essa tb! Eu tb adoro meus cafezinhos com creme.
    Bj

    ResponderExcluir